Final de Administração

Momentos de tensão. Ontem à tarde. “… para segunda-feira, 27/06, … Não adiantar enviar email argumentando que vai trabalhar, ou que tem outra prova no mesmo horário, ou que vai viajar…” Momento 1: Meu mundo caiu. Momento 2 (1 segundo depois): ele chegou ao fundo do poço. Não é que simplesmente não ia dar tempo de fazer antes de viajar: não ia dar para viajar. Porque eu só viajo se tiver entregado todas as provas antes de ir. E… e? Digo, o professor já tinha me garantido que ia dar tempo, e eu tinha marcado a data da viagem com o pessoal da Égide (organismo que cuida das bolsas Eiffel) porque todas as provas iam dar tempo.

Ainda consegui falar com o professor pelo celular, ele disse que talvez desse pra fazer uma prova só para mim hoje, 22 de junho. Mas não ia dar para corrigir no dia… e eu precisava ter as notas, a média! Não conto as vezes que eu beirei o choro. Tentei falar de novo com ele para ajustar detalhes – que horas, onde- mas cadê que me atendia? Meu pai pediu o telefone dele, também. Sempre desligado. Na Missa das 17h eu entreguei a Deus, mas só consegui diminuir um pouco a preocupação. A apresentação de francês foi divertida, distraiu um pouquinho (eu apresentei sobre o West Coast Swing, fiz uma demonstração lá com a Iara, minha irmã), mas só um pouco. Chegando em casa, meus pais tinham reunião, deu pra estudar um bocadinho. Mas, certas horas, ainda beirava o desespero.

Hoje de manhã. Foi todo mundo pra UFC. Falamos com a Rílvia, minha orientadora, que chamou o Ivanildo, coordenador do curso. Ele estava um pouco ocupado, compondo banca, mas ia poder em pouco tempo me ajudar. A tensão aumentava. A AF talvez fosse 13h [ou não]; eu e a Iara ficamos estudando – no benzeno, por falta de lugar (pra quem não sabe, o benzeno é um grupo de seis bancos em forma de hexágono regular que fica em frente à entrada do bloco do Departamento de Engenharia Química). Deu pra decorar algumas coisas mais. A Rílvia liga. O Ivanildo tentou falar com o professor. Nada. Recorreu ao Barros Neto (diretor do Centro de Tecnologia da UFC). Não estava, mas prometeu ajudar, por telefone. Voltamos a estudar.

O pior é que a aflição aumentava a cada instante. Sim, como se tudo o que poderia acontecer fosse acontecer segundo Murphy, e me englobaria num espasmo de crueldade, a desilar o seu letal veneno… mal sabia eu que o que seria destilado era o óleo do Amor. Uma alegria: o momento histórico da Bunilda comendo no RU (Restaurante Universitário). Feijoada. E ainda elogiou o feijão!

Volta do almoço. Outra alegria: festa surpresa!!! Só não fiquei mais contente porque se a prova fosse 13h mesmo, eu tinha medo de passar mal, então comi pouco 😦 E o professor, nada. Nem na sala dele, celular desligado… Ligamos para a Rílvia. Eles tinham conseguido entrar em contato com ele por e-mail. Tinha banca o dia inteiro, até perto de 19h. Enviaram um e-mail dizendo que 19h daria certo.

Enquanto isso, buscar a declaração de analítica. Não encontramos a professora, nem ela tinha deixado a declaração pronta. Voltamos, pelo menos para tentar pegar o histórico. Entrando no DEQ, o prof. Hosiberto, de Termo, com a declaração em mãos. Nem vi a prova, mas deve ter sido ruim – fato: eu não consegui fazer as questões 11 e 12, por causa do tempo!  Ainda tentei arranjar o celular da Goretti, mas nada. Peguei o histórico e fui deixar tudo logo na secretaria do CT. Faltavam só química analítica e administração. E o Bom Deus, que já dera tantas provas de que Sua vontade seria cumprida, não iria me deixar só.

A tarde foi de estudos. Depois de mais 1h30 decorando listas e conceitos, a Missa. Não sei que horas, mas o Ives, mon cher fils, apareceu lá. Em casa, ele me ajudou a revisar tudo. Ganhei uma blusa da Canção Nova, “Sou Brasileiro”, e um livro! ^.^

Pouco depois das 19h, Ministério. Eu só pude dar uma passadinha, mas deu pra rezarem por mim, me enviando, e eu ainda ganhei um ícone, da Theothokos deVladimir, e ainda deu pra comer uns salgadinhos! Mas ainda tinha a prova…

Chegamos lá (meus pais, minha irmã e eu). O professor em banca. Terminou. Até a sala dele. Minha família, rezando, lá embaixo. Alunos de outra disciplina reclamando de trabalhos. Só depois, ele foi montar a prova. Imprimiu.

MUITO BOA!!!! :DDDDDDDD

Soube fazer tudo, só não sei se soube justificar tudo direitinho. Só sei que já estou passado!!!

Fomos comemorar de um jeito que eu adoro: sorvete! Terceira festinha do dia!

Obrigado a todos os que me apoiaram – e aos que não sabiam, também, que Deus sabe as intenções dos corações de vocês. E, é claro, obrigado a Ele mesmo, que se não fosse por Ele, eu teria caído logo em desespero, chorado até não querer mais e nem sei se eu teria sequer condição de fazer a prova, de tão alterado! Dieu merci!

Anúncios

Uma resposta

  1. Outra dessas e o meu coração não aguenta! Mas Deus, que é providência e conhece os seus filhos nos deu a Graça de acalmá-lo e que voce fizesse uma boa prova. Agradecemos ao Senhor por nos ter dado voce e ainda mais por nos ter proporcionado viver esse momento de realização de um sonho seu. Te amamos muito.
    Sua família.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: